Dengue deixa Belém em estado de alerta

Belém está em situação de alerta por causa da dengue, de acordo com o Levantamento do Índice Rápido de Infestação Predial (Lira), com um índice de 3,7%. ‘Aqui em Belém apenas uma parte da Terra Firme está com o Lira em 0,9%’, disse a diretora do Departamento de Vigilância em Saúde da Secretaria Municipal de Saúde, Ornilda da Costa, ‘inferior ao índice de 1% que o Ministério da Saúde na cidade de Belém preconiza como satisfatório’. Segundo ela, ‘os distritos de Icoaraci, Mosqueiro e Outeiro estão em situação de alto risco, superior a 3,7%, e as demais áreas da cidade em situação de alerta’.

Ornilda não confirmou a informação de que a capital paraense está em 4º lugar no que se refere aos casos confirmados da doença, segundo dados do boletim quinzenal divulgado ontem pela Secretaria de Estado de Saúde (Sespa). ‘A Sesma este ano confirmou 157 casos de dengue clássica, um de dengue hemorrágica e dois com complicações, ou seja, que apresentam alterações no quadro de saúde’, explicou. Omilda disse que nenhum óbito foi registrado no município, este ano. Ela se referiu à série histórica do período de janeiro a março, entre 2004 e 2012, apontando uma tendência de redução no número de mortes. ‘Em 2010 foram 12 mortes em Belém por causa da dengue e em 2011 seis’, acrescentou. ‘No ano passado houve uma morte e este ano não contabilizamos nenhum óbito’. Segundo ela, no ano passado 23 casos foram confirmados, contra apenas dois em 2013.

Ornilda lembrou, ainda, que a Sesma recentemente concluiu um plano estratégico para garantir a fiscalização nos prédios abandonados. O documento, que está sendo avaliado pelo secretário, procura garantir o acesso dos agentes da secretaria a locais com possibilidade da existência de criadouros do aedes aegypti.

Por enquanto, avaliou, não há necessidade de recorrer à Justiça para obter acesso aos prédios abandonados, porque, até agora, os proprietários dos imóveis aparentemente abandonados, ‘após uma conversa’, têm atendido aos pedidos. ‘Com isso estamos conseguindo entrar e fazer o trabalho’. Em caso de suspeita de foco da dengue em prédios abandonados, ela orienta denunciar pelo endereço eletrônico do Devs (devsbelem@ig.com.br) ou pelo telefone: (91) 3344-2466.

Mais de 1,1 mil novos casos são registrados em 15 dias no Estado do Pará





Mais 1.110 novos casos de dengue foram confirmados, em todo o território paraense, desde o dia 18 de março deste ano, quando a Sespa divulgou o penúltimo boletim quinzenal com estatísticas sobre a incidência da doença. O Estado do Pará registrou no período de 1º de janeiro até o dia 30 de março passado 7.440 casos suspeitos da dengue. Deste total, 2.468 foram confirmados, com quatro óbitos, em Rurópolis, Oriximiná, Paragominas e Altamira. No ano passado, nesse mesmo período, foram contabilizadas cinco mortes.

As informações fazem parte do novo balanço quinzenal, divulgado na manhã de 4/4 pela Secretaria de Estado de Saúde (Sespa), durante a assinatura de um Termo de Cooperação e Adesão com a operadora de telefonia Vivo, realizada na sede da Sespa, na avenida Conselheiro Furtado, em Belém, com o objetivo de ampliar o alcance das campanhas de esclarecimento acerca da doença.

Santarém aparece em primeiro lugar no que diz respeito a casos suspeitos, com 1.162 notificações, seguido por Belém, onde 613 casos foram notificados, e Parauapebas, com 409 registros. Santarém também está no topo da lista de casos confirmados, com 467, seguido de Oriximiná, com 253, e Parauapebas, com 181. Belém é o quarto no ranking, com um total de 160 casos confirmados da doença.

O secretário de Saúde, Hélio Franco, observou, durante a cerimônia, que, em relação ao ano passado – quando foram confirmados 7.360 casos, de janeiro a março – o número sofreu redução de mais de 70%. Ele acrescentou que, para manter o índice em declínio, torna-se necessária a participação de toda a população. Seja um aliado da vida. Não deixe água acumulada e receba bem o agente de saúde. Sespa 4006-4261/4219 sespa.pa.gov.br

Mortes no trimestre superam as de 2012

O total de casos de suspeita de dengue no país quase quadruplicou nos três primeiros meses do ano na comparação com o mesmo período do ano passado. O número de mortes, contudo, aumentou apenas marginalmente e os casos graves diminuíram. Segundo balanço apresentado pelo ministro Alexandre Padilha (Saúde) ontem, 108 pessoas morreram em consequência da dengue nas 12 primeiras semanas do ano. O dado supera as 102 mortes registradas no mesmo período de 2012, mas está distante do observado nos anos anteriores – em 2010, 306 pessoas morreram no mesmo período de comparação. Em 2011, foram 236 mortes.

Levantamento divulgado no final de fevereiro pela pasta já indicava uma explosão no número de casos suspeitos da doença. Esse movimento continuou, de acordo com o novo balanço.

Os casos suspeitos de dengue, nos três primeiros meses do ano, ultrapassaram 635 mil, contra 167,3 mil no mesmo período do ano passado. Segundo Padilha, após investigação o número deve cair. ‘Deveremos chegar, em 2013, no mesmo patamar de 2010 com relação aos casos de dengue, com a diferença que, em 2010, circulavam dois tipos de vírus e agora circulam três’, disse o ministro.

Fonte: Portal ORM





Deixe seu comentário