Projeto Florestabilidade é mostrado na Feira do Livro em Belém

O projeto Florestabilidade, uma iniciativa da Fundação Roberto Marinho e do Fundo Vale, com apoio do Serviço Florestal Brasileiro, foi apresentado a cerca de 200 estudantes que estudam em escolas das redes estadual e municipal no Estado do Pará.

O encontro aconteceu durante a programação da XVII Feira Pan-Amazônica do Livro, na cidade Belém, em palestras da programação da Secretaria de Estado de Educação (Seduc). O conteúdo e a metodologia do projeto foi apresentado pela gerente de Meio Ambiente da Fundação Roberto Marinho, Andrea Margit; pelo gerente do Instituto Internacional de Educação, Manuel Amaral; e pelo coordenador de Educação Ambiental da Seduc, professor Augusto Ferreira.

O projeto é destinado à educação para o manejo florestal, a partir da formação de professores por meio da realização de oficinas, com objetivo de despertar nos jovens a vocação para gerir as florestas amazônicas. Este ano, as formações reuniram 840 professores do último ano do Ensino Fundamental e dos três anos do Ensino Médio de escolas de 52 municípios. Agora, esses docentes participam de ações de tutoria e acompanhamento em que elaboram um projeto para a implementação do Kit Florestabilidade na escola.

O projeto chamou a atenção do estudante Yuri Bastos, 15 anos, do curso técnico em Meio Ambiente da Escola Bosque, na ilha de Outeiro. “Ainda não conhecia o Florestabilidade. Gostei muito do projeto, do vídeo que eles apresentaram e da forma que eles promovem a interação com a comunidade”, disse o estudante. Em Outeiro, apontou ele, é fácil notar agressões ao meio ambiente. “A gente vê pela estrada (que liga Icoaraci a Outeiro) e na própria ilha algumas indústrias que tiram madeira das margens dos rios. Isso está matando os nossos rios”, relatou.





Todo o material do projeto apresenta técnicas de manejos florestal de produtos madeireiros e não madeireiros e dos serviços ambientais, nas quais os povos das florestas são os protagonistas e os professores. O Kit Florestabilidade é composto por livros na cidade de Belém, programas de rádio, jogos educativos e vídeos.

A atuação do projeto é diretamente com professores e a recepção dos conteúdos por parte dos estudantes, durante a Feira do Livro, foi considerada bastante positiva pela gerente de Meio Ambiente da Fundação Roberto Marinho, Andrea Margit. “A nossa participação aqui na Feira do Livro possibilitou o uso do material com o público final. Percebemos a identificação imediata com os conteúdos e com a linguagem do material, a interpretação, a destreza e a habilidade dessas crianças com os jogos que apresentamos”, avaliou Margit.

Para o coordenador de Educação Ambiental da Seduc, Augusto Ferreira, é fundamental despertar, entre os estudantes, vocações para o uso sustentável da floresta. “É preciso mostrar que essas informações, esse conteúdo, estão presentes na vida desses estudantes, na realidade de cada um deles. Mostrar que quando você fala de floresta, o assunto não é só madeira. É o açaí, e o rio que pode estar sendo assoreado”, afirmou, destacando a importância do projeto.

Fonte: G1





Deixe seu comentário