Os 8 melhores Pontos Turísticos de Belém!

Belém é o típico destino que muitos brasileiros poderiam visitar num feriado prolongado, mas não vão por desconhecerem as maravilhas da cidade. Com três ou quatro dias é possível conhecer a capital do Pará, se apaixonar pela gastronomia paraense, se impressionar com a grandiosidade do Ver-o-Peso e ter uma experiência amazônica pela primeira vez.

Conheça os melhores os 8 melhores Pontos Turísticos de Belém.

Pontos Turisticos de Belém

1. Basílica Santuário Nossa Senhora de Nazaré

Basílica Santuário Nossa Senhora de Nazaré, a famosa igreja do Círio de Nazaré, uma das maiores tradições religiosas do Brasil. Todo mês de outubro, a cidade de Belém se transforma para celebrar a tradição. Milhares de devotos acompanham a procissão com a imagem de Nossa Senhora de Nazaré, que sai da catedral de Nazaré (na Cidade Velha) até a Basílica Santuário, a maior e mais bonita igreja do Pará.

A devoção é antiga. Lá em 1700, a pequena imagem de 28 cm foi encontrada por um caboclo aos pés de um igarapé. No lugar, foi construída uma pequena capelinha, que com a explosão da devoção, hoje se transformou na maravilhosa Basílica Santuário. Uma igreja cheia de detalhes, vitrais e esculturas. A imagem original, inclusive, está bem em cima do altar, numa cúpula de vidro. Ela fica ali o ano todo, só saindo em dias de Círio e no aniversário da Santuário. Fica a dica de visitar Belém na época do Círio e viver uma experiência única de imersão cultural e fé.

Basílica Santuário Nossa Senhora de Nazaré

2. Praça da República, Cinema Olympia e Theatro da Paz

Caminhando um pouco pela cidade, chega-se na Praça da República, onde o lindo Theatro da Paz de Belém rouba todos os olhares. Construído na época do auge do ciclo da borracha, o edifício foi construído para ostentar toda a riqueza da sociedade paraense nesse período.

Ali na praça, ainda está o Cinema Olympia, que é considerado o cinema mais antigo funcionando no mesmo lugar aqui no Brasil. Quem me deu a dica foi a Camila do blog Viagem no Detalhe, que também aproveitou pra curtir Belém em um final de semana.

O Cine Olympia tem entrada franca e exibe diariamente filmes clássicos e de cinema mudo, além de valorizar o cinema nacional, fazendo todos os anos a exibição dos filmes finalistas do Grande Prêmio do Cinema Brasileiro. Nas sextas-feiras, ainda acontece visita guiada pelo prédio. Uma atração imperdível para os amantes da sétima arte.

Praça da República, Cinema Olympia e Theatro da Paz

3. Estação das Docas e Sorveteria Cairu

A Estação das Docas está para Belém como o Boulevard Olímpico está para o Rio de Janeiro e os armazéns do Recife Antigo estão para a capital pernambucana. Uma área revitalizada que virou ponto de encontro de locais e turistas. Tem restaurantes, cervejarias, lojinhas de artesanato e uma vista linda do rio que banha a capital do Pará. Adoramos o clima e aproveitamos muito a Estação das Docas.

A Estação das Docas é um lugar para visitar de dia e de noite. De lá saem passeios de barco todos os dias, para quem quer ver a cidade de outro ângulo. O mais procurado é o passeio para ver o por do sol, que segue pelo rio animado por danças típicas de Belém.

Outra dica é passar na sorveteria Cairu, que tem os melhores sabores de sorvetes preparados com as frutas da Amazônia. Quem gosta de uma cerveja artesanal também tem parada obrigatória na Amazon Beer, com cervejas e petiscos com sabores regionais – que a gente provou e aprovou!

Estação das Docas e Sorveteria Cairu

4. Cidade velha e Mercado Ver-o-peso

A maior feira livre da América Latina já foi eleita uma das 7 maravilhas do Brasil, e não é pra menos. Um encontro de cores, sabores, crenças. Tem de tudo no Ver-o-peso. Os corredores organizados facilitam a visita e mostram a diversidade: tem espaço pros cereais, castanhas, animais, poções, encantamentos e pros remédios pra todo tipo de mal. Nas barraquinhas de comida, você pode experimentar um açaí com peixe frito, como os locais fazem. Só tenha cuidado de escolher uma barraca mais organizada, pra comer um açaí com mais qualidade e higiene.





Ali pertinho do Ver-o-peso, você pode visitar os outros mercados que fazem parte do Complexo Ver-o-peso. No Mercado de Carnes Francisco Bolonha, funciona o açougue municipal. Mas o que realmente chama a atenção é a arquitetura de ferro que rende algumas fotos incríveis – especialmente lá de cima do mirante no topo da escada em caracol, que um dia já abrigou o reservatório de água do mercado.

Cidade velha e Mercado Ver-o-peso

5. Forte do Presépio

Atravessando pela Praça do Relógio e subindo a Ladeira do Castelo, uma das primeiras ruas de Belém, para chegar na Praça Dom Frei Caetano Brandão, onde a cidade de Belém começou. Toda essa região é chamada de Complexo Feliz Lusitânia, nome dado pelos colonizadores portugueses para o povoamento inicial da cidade de Belém.

Ali fica o Forte do Presépio, o marco zero da cidade. Foi com a construção dessa fortificação que a cidade começou a se estabelecer, primeiro dentro dos muros e depois nos arredores. A visita ao Forte do Presépio tem uma área gratuita e outra paga, mas vale entrar para conferir o museu e ter uma das vistas mais bonitas da Cidade Velha e do Rio Guajará.

Forte do Presépio

6. Mangal das Garças

O Mangal das Garças é um dos lugares mais incríveis de Belém. Uma área verde super preservada, com uma biodiversidade linda de se ver. A ideia foi reproduzir os ecossistemas típicos de Belém: áreas alagadas, terra firme e os campos.
As verdadeiras donas do lugar são as garças. Muitas, espalhadas por todo lugar do parque. A revoada também é linda e vale a pena se sentar ao lado do lago só pra assistir um pouco da festa animal que acontece todo dia no Mangal. A entrada é gratuita, mas quem quiser pode pagar para entrar no borboletário ou no mirante da torre, o Farol de Belém.

Mangal das Garças

7. Ilha do Combu

Para ir até a Ilha do Combu, basta pegar um barco na Praça Santa Isabel, que não é lá muito organizada. A única atração por ali é mesmo o point de saída dos barcos para a ilha.  Você precisa avisar na partida qual é o seu destino na Ilha do Combu. Isso porque não dá pra se deslocar a pé na ilha. Para ir de um lugar a outro, só de barco. O barco vai entrando nos “furos” da ilha, pelo meio da floresta. Algumas casinhas pelo caminho, onde moram as poucas centenas de habitantes do Combu. É uma experiência incrível!

Existem visitas guiadas, com uma pequena palestrinha para grupos sobre a produção e a fábrica. Mas você também pode fazer apenas a visita por conta própria, sendo muito bem recebido pela equipe de visitação, que mostra um pouco do processo de produção para todo mundo interessado.

A maior atração do Combu são os restaurantes locais, especializados nos sabores do Pará. Existem vários, mas nenhum mais famoso que a Saldosa Maloca. Foi exatamente por causa da Saldosa Maloca que a Ilha do Combu ficou conhecida. Um lugar bacana para almoçar, com uma vista incrível da cidade de Belém e opção para tomar banho de rio.

Ilha do Combu

8. Saldosa Maloca

E não estranhe que estou escrevendo saldosa com L. É assim mesmo! Uma história curiosa de uma placa que foi escrita errado e não foi trocada por falta de dinheiro. Hoje, o erro de português ajuda a fazer a fama do lugar. A Saldosa Maloca tem um deck e chuveirão, onde é possível passar a tarde relaxando com um banho de rio. Mas o grande destaque fica por conta dos pratos: provamos camarões e peixes – e estava tudo muito saboroso! Você ainda pode provar caipirinhas com frutas amazônicas, imagina que legal!

 Saldosa Maloca





Deixe seu comentário