Museu das Onze Janelas Belém

Casa das Onze Janelas Belém ou Palacete das Onze Janelas ou Museu de Arte Casa das Onze Janelas é um edifício histórico da cidade brasileira de Belém, no estado do Pará.

Trata-se do Museu de Arte Moderna e Contemporânea mais importante da cidade de Belém e do Estado do Pará e também um ponto turístico da cidade de Belém, construída no século XVIII como moradia por Domingos da Costa Barcelar, senhor de engenho. Hoje em dia, desde 2002, a edificação abriga o Museu de Arte Casa das Onze Janelas.

Museu das Onze Janelas Belém

História

O Palacete das Onze Janelas foi construído no século XVIII como residência de Domingos da Costa Bacelar, proprietário de um engenho de açúcar. Em 1768, a casa foi adquirida pelo governo do Grão-Pará para abrigar o Hospital Real. O projeto de adaptação é do arquiteto italiano Antônio José Landi. O hospital funcionou até 1870 e depois a casa passou a ter várias funções militares. Em 2001, o Governo do Estado do Pará assinou com o Exército Brasileiro um convênio, alienando os terrenos da Casa das Onze Janelas e do Forte do Presépio em favor do turismo em Belém, hoje o palacete é um dos cartões postais da capital paraense, é também um dos museus de arte mais importantes da cidade. Desde ano de 2016, o Museu de Arte Casa das Onze Janelas vem sofrendo grande pressão política por parte do governo PSDB do estado para deixar de existir como tal visando a formação do Pólo Gastronômico, colocando em risco um acervo de arte moderna e contemporânea com obras de artistas como Tarsila do Amaral, Rubens Gerchman, Ismael Nery, além de obras de grandes fotógrafos contemporâneos da cidade. Cidade Velha.

Acervo

O museu possui acervos de tipologias diversas : de acervo documental, de artes visuais onde se incluem as artes plásticas em suas diversas manifestações pintura, desenho, gravura, instalações, objetos, escultura e fotografia. O acervo documental foi constituído até o ano de 2010 basicamente pela Coleção Vicente Salles, com ênfase para cultura popular, dança, teatro e presença do negro. Em 2010 foi adquirida pela Universidade a Coleção do poeta Max Martins com seus textos e diários ilustrados. O acervo do MUFPA é composto por pinturas, desenhos, cartuns, fotografias, gravuras e esculturas dos séculos XIX aos dias de hoje.

Acervos de artes visuais A primeira coleção foi formada pelo acervo pessoal da artista portuguesa, radicada em Belém, Carmen Sousa. O Museu recebeu, quando sediava a Reitoria obras de grande valor que passaram a constituir bens integrados ao prédio : La Sirene, escultura de Dennis Puech, fins do século XIX, a tela Belém de 1868, Leon Righini e Heróis do rio Formozo, de Theodoro Braga. Coleções oriundas das antigas Faculdades de Direito, Medicina, passam ao acervo do MUFPA no inicio do século XXI. O museu recebe doações das famílias de João Pinto e de Anthar Rohrit, esta com mais de 200 peças. A par disso e continuando uma postura iniciada nos anos 60, em plena repressão, a UFPA estimula as artes visuais e forma artistas de renome nacional como Dina de Oliveira, Emanuel Nassar, Osmar Pinheiro de Sousa, Ronaldo Moraes Rego cujas obras passam a fazer parte da coleção Artistas Professores.





Museu das Onze Janelas Belém

O prédio em dois pisos tem na fachada principal onze aberturas dispostas simetricamente, janelas e portas janelas, com verga reta e precedidas por grades, e a porta principal. O volume maciço é dividido por um simples entablamento e tem pilastras nos cunhais, constituindo uma solução robusta e singela, ao gosto da arquitetura portuguesa do período, do chamado estilo chão. Mais elaborada, denunciando a intervenção do arquiteto italiano Antônio Landi, é a fachada para o rio, com aberturas em arcos configurando, no corpo central, loggia (galeria) na forma de varandas, com grades no piso superior e abertas no inferior. O prédio, quando passou para o uso militar, sofreu muitas intervenções. As mais relevantes, do ponto de vista de interferência nas fachadas, foram o acréscimo de um frontão triangular, ladeado por obeliscos, na fachada principal, e o fechamento desfigurador das aberturas do lado voltado para o rio. Essas modificações foram revertidas em restauro e reformas nos anos 2000. Desde 2002 o palacete abriga o Museu de Arte Casa das Onze Janelas que possui vasto acervo de obras modernas e contemporâneas contando com nomes como Tarsila do Amaral, Ismael Nery, Rubens Gerchman, Lasar Segal, Luiz Braga, Miguel Chikaoka, Alexandre Sequeira, Elza Lima, Walda Marques. Com grande agenda de exposições, é o principal prédio à hospedar as duas maiores premiações nacionais de arte realizadas no estado, o Premio Diário Contemporâneo de Fotografia e o Arte Pará, porém o Museu sofre risco de desmonte pelo Governo do Estado do Pará, pondo o acervo e a vida cultural da cidade e do estado em dificuldade e risco.

Vagas Museu das Onze Janelas Belém – Trabalhe Conosco

O Museu das Onze JanelasBelém disponibiliza vagas de trabalho durante todo ano. Para se informar sobre os processos seletivos e se candidatar as vagas acompanhe o site da empresa, onde é possível se informar sobre vagas abertas, salários e competências necessárias para se candidatar ao processo.

Horário de Funcionamento Museu das Onze Janelas em Belém

  • Terça a Sexta das 10h às 16h /  Sábado e Domingo das 09h às 13h

Onde fica, Endereço e Telefone Museu das Onze Janelas em Belém

  • R. Siqueira Mendes, s/n – Cidade Velha – Belém – PA
  • Telefone: (91) 4009-8825

Mapa de localização





Deixe seu comentário